"Orlando Azevedo | Marinhas: arqueologia da morte"

Número de Páginas: 88

Dimensões: 16 x 16 cm

Catálogo da exposição realizada no Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 18/ago a 28/nov/2010, sob a curadoria de Orlando Azevedo.

 

Há anos o fotógrafo Orlando Azevedo (1949) produz marinhas, denominadas arqueologia da morte, em que animais mortos e objetos em deterioração são recolhidos como "náufragos da existência", conforme define o próprio autor. Trata-se de um olhar da morte como "a grande viagem da passagem e da vida", na qual a fotografia, em um resgate da memória, promove a ressureição da extinção.

Arqueologia porque reconstitui o que foi a vida e o que foi desejo, porque insinua que o tempo foi interrompido, que a morte evidente dos restos apela para a vida que foi, analisa a historiadora portuguesa Maia do Carmo Séren. Com o patrocínio da HP-Brasil e da Canson Infinity Brasil-Indústria de Papéis Especiais e o apoio do Governo do Paraná, da Secretaria de Estado da Cultura e da Caixa, é com satisfação que este Museu exibe Marinhas - Arqueologia da Morte.

Catálogo Orlando Azevedo - Marinhas

R$15,00 R$10,00
Catálogo Orlando Azevedo - Marinhas R$10,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

  • MON Loja Rua Marechal Hermes, 999, Curitiba Atendimento de Terça à Sexta das 10:00 às 17:30

    Grátis

"Orlando Azevedo | Marinhas: arqueologia da morte"

Número de Páginas: 88

Dimensões: 16 x 16 cm

Catálogo da exposição realizada no Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 18/ago a 28/nov/2010, sob a curadoria de Orlando Azevedo.

 

Há anos o fotógrafo Orlando Azevedo (1949) produz marinhas, denominadas arqueologia da morte, em que animais mortos e objetos em deterioração são recolhidos como "náufragos da existência", conforme define o próprio autor. Trata-se de um olhar da morte como "a grande viagem da passagem e da vida", na qual a fotografia, em um resgate da memória, promove a ressureição da extinção.

Arqueologia porque reconstitui o que foi a vida e o que foi desejo, porque insinua que o tempo foi interrompido, que a morte evidente dos restos apela para a vida que foi, analisa a historiadora portuguesa Maia do Carmo Séren. Com o patrocínio da HP-Brasil e da Canson Infinity Brasil-Indústria de Papéis Especiais e o apoio do Governo do Paraná, da Secretaria de Estado da Cultura e da Caixa, é com satisfação que este Museu exibe Marinhas - Arqueologia da Morte.