"Vasarely"

Número de Páginas: 72

Dimensões: 21 x 21 cm

Catálogo da exposição realizada no Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 25/nov/2010 a 27/mar/2011, sob a curadoria de María Luz Cárdenas.

 

Criador de uma obra de alcance e acesso social, Victor Vasarely utilizou o recurso da reprodução gráfica para ampliar sua capacidade de fazer circular a obra de arte. Com o entusiasmo de consolidar novos elementos para a integração social, foi um dos pioneiros a considerar a arte como um "tesouro coletivo", do qual todos participam.

Na construção de sua linguagem, Vasarely incluiu a geometria, a física, os avanços tecnológicos, a química e os elementos plásticos para articular novas fontes poéticas, com a intenção de democratizar e socializar a arte em 1947. Ele "reconhece que a forma e a cor podem significar o mundo e ampliar o horizonte da percepção estética. Através de suas formas deseja expressar uma visão espiritual do mundo: com simplicidade, nobreza, equilíbrio e a separação da pressão do tempo", explica a curadora María Luz Cárdenas.

A seleção de serigrafias em exibição exemplifica a maestria de Victor Vasarely na investigação das superfícies cromáticas e suas relações no espaço com síntese e reflexo do mundo.

Catálogo Vasarely

R$50,00 R$25,00
Esgotado
Catálogo Vasarely R$25,00

"Vasarely"

Número de Páginas: 72

Dimensões: 21 x 21 cm

Catálogo da exposição realizada no Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 25/nov/2010 a 27/mar/2011, sob a curadoria de María Luz Cárdenas.

 

Criador de uma obra de alcance e acesso social, Victor Vasarely utilizou o recurso da reprodução gráfica para ampliar sua capacidade de fazer circular a obra de arte. Com o entusiasmo de consolidar novos elementos para a integração social, foi um dos pioneiros a considerar a arte como um "tesouro coletivo", do qual todos participam.

Na construção de sua linguagem, Vasarely incluiu a geometria, a física, os avanços tecnológicos, a química e os elementos plásticos para articular novas fontes poéticas, com a intenção de democratizar e socializar a arte em 1947. Ele "reconhece que a forma e a cor podem significar o mundo e ampliar o horizonte da percepção estética. Através de suas formas deseja expressar uma visão espiritual do mundo: com simplicidade, nobreza, equilíbrio e a separação da pressão do tempo", explica a curadora María Luz Cárdenas.

A seleção de serigrafias em exibição exemplifica a maestria de Victor Vasarely na investigação das superfícies cromáticas e suas relações no espaço com síntese e reflexo do mundo.